Os Convencidos da Vida

 

 

 

Todos os dias os encontro.

Evito-os.

Às vezes sou obrigado a escutá-los, a dialogar com eles.

Já não me confrangem.

Contam-me vitórias.

Querem vencer, querem, convencidos, convencer.

Vençam lá, à vontade.

Sobretudo, vençam sem me chatear.

Mas também os aturo por escrito.

No livro, no jornal.

Romancistas, poetas, ensaístas, críticos (de cinema, meu Deus, de cinema!).

Será que voltaram os polígrafos?

Voltaram, pois, e em força.

Convencidos da vida há-os, afinal, por toda a parte, em todos (e por todos) os meios.

Eles estão convictos da sua excelência, da excelência das suas obras e manobras (as obras justificam as manobras), de que podem ser, se ainda não são, os melhores, os mais em vista.

Praticam, uns com os outros, nada de genuinamente indecente: apenas um espelhismo lisonjeador.

Além de espectadores, o convencido precisa de irmãos-em-convencimento.

Isolado, através de quem poderia continuar a convencer-se, a propagar-se? (…)

No corre-que-corre, o convencido da vida não é um vaidoso à toa.

Ele é o vaidoso que quer extrair da sua vaidade, que nunca é gratuita, todo o rendimento possível.

Nos negócios, na política, no jornalismo, nas letras, nas artes.

É tão capaz de aceitar uma condecoração como de rejeitá-la.

Depende do que, na circunstância, ele julgar que lhe será mais útil.

Para quem o sabe observar, para quem tem a pachorra de lhe seguir a trajectória, o convencido da vida farta-se de cometer «gaffes».

Não importa: o caminho é em frente e para cima.

A pior das «gaffes», além daquelas, apenas formais, que decorrem da sua ignorância de certos sinais ou etiquetas de casta, de classe, e que o inculcam como um arrivista, um «parvenu», a pior das «gaffes» é o convencido da vida julgar-se mais hábil manobrador do que qualquer outro.

Daí que não seja tão raro como isso ver um convencido da vida fazer plof e descer, liquidado, para as profundas.

Se tiver raça, pôr-se-á, imediatamente, a «refaire surface».

Cá chegado, ei-lo a retomar, metamorfoseado ou não, o seu propósito de se convencer da vida – da sua, claro – para de novo ser, com toda a plenitude, o convencido da vida que, afinal… sempre foi.

Alexandre O’Neill

Anúncios
  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: