Miragem – Fabrício Carpinejar

Pintar cabelo é um manifesto feminino.

O equivalente ao serviço militar obrigatório.

Depois de dezoito anos, é mais do que um experimento, é mudar de vida.
Pode sinalizar uma separação, um novo namorado, último recurso para adiar uma dieta, desistência da terapia.
Serve também para desafiar as mechas maternas.
Tanto que a menina desmama quando pinta os cabelos.
Um contra-ataque ao coque e trança, artesanatos de postura impostos dentro de casa para ir à escola e festas.
Uma revolta ao regime tirânico do laquê, mousse, cera e gel, que obrigava o rosto a permanecer imóvel.
Corresponde a mais importante desobediência doméstica.
É quando a moça se desarma, se ama e assume a sexualidade de sua brincadeira.
Superior ao signo e ao histórico escolar, a mulher entende que é pelo cabelo que se apresenta ao mundo.
É pelo cabelo que ditará seu perfil, provará que é dramática, romântica, tímida, expansiva, agressiva, esportiva.
Com a bolsa e as sobrancelhas, forma a sagrada trindade da personalidade.
A idealização do marido não alcança a idealização cromática dos fios.
Ela delira com um cabeleira de bordas, redonda, macia, desembaraçada, lustrosa.
Aquela espontaneidade onde não se enxerga o fim.
Uma cabeleira infinita.
Dobrando o oceano dos ombros.
Vibrante.
Mas é quase impossível concretizar a metamorfose.
 Por mais que cada uma siga as instruções da bula.
É como imitar as pinceladas de Van Gogh.
Como imitar as formas sensuais das banhistas de Monet.
Como imitar os movimentos de tons da ciranda de Matisse.
Pintar os cabelos será a primeira traição que o mulherio enfrenta.
A dureza já encontra seu auge no início.
Nem toda mulher quer ser loira, mas toda mulher precisa ser loira.
É um pedágio para encontrar a coloração do sonho.
Se ousar partir do matiz original para repetir as caixinhas, o espelho quebra.
Obrigatório clarear para diminuir o desastre.
Na ambição de ser ruiva, uma morena descobrirá o vermelho beterraba, longe do brilho e da intensidade da embalagem.
Terá na cabeça um incêndio apagado, sem labaredas, terra devastada, cinzas e fuligem.
Só com muita generosidade para chamar aquilo de ruivo, é o mesmo que confundir espinhas com sardas.
Muçulmanas, católicas, evangélicas, luteranas, taoístas, batistas…
Não há religião que salve.
O milagre nunca acontece conforme rezado.
Tingindo de amarelo verão, na ânsia de reproduzir os ares praianos de surfista e aventureira, o máximo que conseguirá é cabelo palha de inverno.
A decepção não tem fundo.
São quarenta minutos de expectativa frustrada.
Cereja terminará marrom.
Após cinco lavagens, torna-se água suja.
O preto azulado — que ninguém avisa — dependeria de licitação da Secretaria de Obras.
É, essencialmente, piche.
Para tirar, apenas cortando.
Conhecerá a maldição de fadas.
 A dissolução do castelo.
Ao adormecer como Marilyn Monroe e seu fulgurante platinado, acordará como Cicciolina em fim de carreira.
Anúncios
  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: