I like

Eu gosto da nossa rotina, das nossas piadas, dos nossos silêncios, das nossas reticências, das nossas risadas.

E gosto, também, das nossas brigas.

A gente aprende com elas.

Eu descubro mais sobre você e conheço outras partes minhas.

Aquelas partes que a gente não mostra por vergonha.

Reconheço o som do meu grito, vejo minha cara de raiva e meu olhar que assusta quando algo incomoda.

E te percebo por inteiro.

Seu tom, sua reação, sua ação.

Suas verdades, nossas mentiras.

E assim a gente vive junto, passando por obstáculos, derrubando o que vem pela frente.

E assim vamos ficando mais amigos, mais amantes, mais enrolados um com o outro.

É bom me enrolar com você.

Não falo apenas do meu pé que roça no seu pé depois que a gente se deita.

Falo de sentir o calor, de olhar para você enquanto dorme, de ver seu sorriso de canto de boca quando eu passo a mão pelo seu rosto quando você está de olhos fechados.

E meus dedos fazem aquele barulhinho bom quando roçam na sua barba.

E a gente fica assim, colado, grudado embaixo das cobertas esperando o dia amanhecer e a vida continuar.

Eu sei, sei que a vida continua enquanto a gente dorme um sono profundo e sonha com o que virá.

Mas pra mim as coisas param cada vez que te olho.

E eu sei que por mais que o tempo passe vai ser assim.

Porque é amor o que eu sinto e sempre vou sentir por você, Anderson.

E é como diz, Friedrich Nietzsche:

“Quem tem uma razão de viver é capaz de suportar qualquer coisa.”

Anúncios
  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: